Encontro sobre Inteligência Artificial no Vaticano discute Ética, Direito e Saúde.

Com informação: Vatican News

“Call for Ethics”, um apelo por uma ética da inteligência artificial. Assim se intitula a Carta assinada pela Pontifícia Academia para a Vida, por dirigentes da Microsoft, da IBM, com a participação do Parlamento Europeu e da FAO, na conclusão da conferência realizada no Vaticano intitulada “O ‘bom’ algoritmo? Inteligência Artificial: Ética, Direito, Saúde”.

Fausta Speranza – Cidade do Vaticano

A humanidade usa a tecnologia e não vice-versa, para que não se torne uma “ditadura do algoritmo”. Mais de 450 pessoas – incluindo cientistas da computação e filósofos, teólogos e dirigentes de empresas – concordaram em compartilhar esta recomendação, que nasce da consciência do desafio representado pela crescente difusão dos chamados sistemas de inteligência artificial. Central, a reflexão do Papa Francisco confiada na mensagem lida na Sala Nova do Sínodo pelo presidente da Academia para a Vida.

Subscrever a Carta, durante a cerimônia realizada no Auditório da Via da Conciliação, significou assumir um compromisso neste sentido. Os signatários foram o presidente da Pontifícia Academia para a Vida, arcebispo Vincenzo Paglia; o presidente da Microsoft Brad Smith e o vice-presidente da IBM, John Kelly III. Participaram, entre outros, o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli e o diretor geral da FAO, Qu Dongyu. Mas trata-se apenas de um primeiro passo. A esperança é que governos e grandes empresas se reúnam em um debate aberto com este encontro.

O presidente da Pontifícia Academia para a Vida, Dom Vincenzo Paglia, reiterou ao concluir os trabalhos que “o debate confirmou que ninguém tem respostas prontas para os desafios, mas sim muitos questionamentos: trata-se de encontrar juntos o caminho para enfrentar e administrar as interrogações”.  

Europa enfrenta o desafio dos direitos

“Diante das incógnitas que esta temporada de grandes transformações nos apresenta, é necessária uma grande transparência”. Em particular, esta é a recomendação do presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, que ao se pronunciar na conferência “The ‘Good Algorithm Artificial Intelligence: Ethics, Lae, Health”, definiu ser “importante que novas fronteiras tecnológicas sejam regulamentadas não apenas pelos Estados, mas também a nível europeu, por meio da elaboração de regras precisas de uso e com a adoção de requisitos comuns na matéria para medir o impacto no respeito pelos direitos fundamentais”.

A este propósito, Sassoli explicou que “a União Europeia sempre apoiou políticas em favor da pesquisa e inovação, mas que o Parlamento Europeu tem o dever de proteger ainda mais os cidadãos do impacto que as novas tecnologias possam provocar”. Ele recordou que, durante a última legislatura, o Parlamento solicitou à Comissão Europeia para atualizar e integrar o quadro jurídico da União com claros princípios éticos que levassem em consideração e não subestimassem o fator humano, reiterando que “os cidadãos devem ter a possibilidade de controlar os próprios dados, de proteger a própria privacidade e de saber discernir as informações que recebem”.

Fonte: https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2020-02/vaticano-encontro-inteligencia-artificial-dom-vincenzo-paglia.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.